Fundador das Casas Bahia, Samuel Klein abusava de crianças na empresa

Segundo reportagem da Agência Pública, empresário, morto em 2014, manteve esquema de aliciamento de crianças e adolescentes para a prática de exploração sexual

Samuel Klein, fundador da Casas Bahia, morreu há quase sete anos (Foto: Reprodução)
pp_amp_intext | /75894840/DEFATO_ONLINE_AMP_02

Revelações chocantes de crimes sexuais cometidos pelo fundador da Casas Bahia, Samuel Klein, falecido em 2014, repercutiram em todo o país nesta quinta-feira (15). O empresário, durante décadas, comandou um suposto esquema de aliciamento de crianças e adolescentes para a prática de exploração sexual nas dependências da sede da empresa, em São Caetano do Sul (SP), além de outros locais em Santos (SP), São Vicente (SP), Guarujá (SP) e Angra dos Reis (RJ).

O filho de Klein, Saul Klein, também é investigado por estupro de mais de 30 mulheres. Fontes ligadas ao caso afirmam que pai e filho agiam de forma semelhante. A reportagem da Agência Pública ouviu mais de 35 fontes, entre vítimas que acusam Samuel Klein, advogados e ex-funcionários da Casas Bahia e da família, consultou processos judiciais e inquéritos policiais, dentre outros.

Diante disso, o empresário teria sustentado, de 1989 a 2010, uma rotina de exploração sexual de meninas, entre 9 e 17 anos, na sede da empresa e em outros imóveis registrados em seu nome.

+ Leia a matéria completa no Estado de Minas

Sobre a empresa

Casas Bahia é uma popular rede de varejo de móveis e eletrodomésticos do Brasil. Foi fundada em 1952, em São Caetano do Sul, São Paulo, onde se localiza a matriz, pelo imigrante polonês Samuel Klein, que iniciou como mascate vendendo produtos de porta em porta, mas a maioria dos seus clientes eram retirantes baianos, daí o nome da empresa. Apenas em 1957 a primeira loja foi aberta. A rede é a maior varejista de eletrodomésticos e móveis do país.

 

MAIS NOTÍCIAS